Dominion – Resenha

Dominion é um jogo de 2008, publicado pela Rio Grande Games, e vencedor do conceituado Spiel de Jahres (importante prêmio de jogos alemão) em 2009.

Criado por Donald X. Vaccarino, Dominion é um card games muito simples de ser explicado e aprendido, mas de jogabilidade complexa e com muitas possibilidades diferentes.

O jogo vem com 25 tipos de cartas de Ação diferentes, das quais 10 apenas serão utlizadas por partida. Elas podem tanto ser sorteadas como escolhidas por acordo entre os jogadores. Além disso, há também um monte de maldições, um de moedas de cobre, um de prata e um de ouro (cartas de Tesouro) e três montes com cartas de Vitória, que estão presentes em todas as partidas. Cada carta conta com um valor em dinheiro que é o que deve ser pago para comprar essa carta e adicioná-la ao próprio baralho.

Desenho da capa de Dominion

O objetivo do jogo é simples, juntar mais Pontos de Vitória que os outros jogadores. Cada jogador começa com um baralho que contem 7 moedas de Cobre e 3 PV.

A grande sacada é que os PVs, durante o jogo, não servem para nada, apenas para encher a mão, então durante o jogo é necessário equilibrar a quantidade de pontos de vitória e de outras cartas adquiridos para evitar rodadas na qual não se tenha nenhuma jogada.

As cartas que participam de todos os jogos: Maldições, Tesouro e de Vitória

O jogo se resume em turnos, dividos em três fases Action, Buy e Clean-up (fácil de lembrar por ser A,B,C). A primeira fase consiste em jogar alguma carta de Ação. Essas cartas, o que mais comumente fazem, é dar mais Ações, bônus na fase de comprar, permitem que você saque mais cartas do seu baralho imediatamente ou que se compre mais de uma carta por rodada. Algumas delas fazem 2 ou 3 coisas e outras permitem outros tipo de ação (como jogá-las fora para pegar um Tesouro).

Depois de cumprir a ação, vc pode comprar uma carta (mais, se a ação der esse direito). Não estamos falando de pegar cartas do seu baralho, mas sim de pagar o valor da carta. Para isso você baixa a quantidade de cartas de Tesouro que somem igual ou mais o valor das cartas a serem adquiridas, mais algum bônus de tesouro provido das ações. A carta comprada vem para sua mesa (não para a sua mão).

E a terceira fase consiste em limpar tudo. A sua mão e todas as cartas da mesa vão para a pilha de descarte e uma nova mão de 5 cartas é sacada. Caso a pilha acabe antes, os descartes devem então ser re-embaralhados à pilha e continua-se a pegar até ficar com 5 cartas na mão. Encerrado seu turno, é a vez do próximo jogador.

O jogo se encerra quando três pilhas quaisquer não possuirem mais cartas para serem compradas ou quando acabarem as cartas de Províncias, a mais cara das cartas de Vitória (que corresponde a 6 pontos).

Dominion é precussor em uma mecânica conhecida como “deck-building”. Ela é baseada nos jogos colecionáveis, como Magic:The Gathering, com a diferença que nesse caso você não precisa montar o seu baralho antes da partida, e sim durante. Os tipos de cartas escolhidos e a quantidade são importantes para realizar combos durante a partida, que permitem um resultado mais eficiente. Além do já citado equilibrio entre cartas de Vitória: durante a primeira metade do jogo você não vai querer encher o baralho com elas, mas ao final, tornam-se valiosíssimas aquisições.

A mecânica simples e elegante conseguiu conquistar vários fãs e resultou em uma série de expansões, cinco até agora: Intrigue (que funciona como jogo básico também), Seaside, Alchemy, Prosperity e Cornucopia. Cada uma delas possui um tema específico, e um “feeling” diferente.

Dominion vem em uma caixa grande e, o melhor, com um “insert” em que cabe tudo de maneira muito organizada, alem de um guia central para botar tudo em ordem alfabética (com a opção de usar o outro lado, em branco, para fazer uma lista personalizada). O problema é que as cartas, apesar de boa qualidade, podem se desgastar muito rápido devido ao fato de que há muitos reembaralhamentos durante as partidas. Portanto elas ficam mais bem conservadas em plastiquinhos de tamanho apropriado, o que aumenta o tamanho que elas ocupam e já não ficam tão certinhas assim na caixa.

Claro que o problema foi todo resolvido pelo pessoal do BoardGameGeek, e pode-se

As cartas encaixadas no insert que vem com a caixa

encontrar na net e nos fóruns criativas soluções para isso.

O jogo foi lançado em português pela praticamente não-comentada editora Runadrake e aparentemente já está esgotado. Apesar disso, Dominion pode ser facilmente jogado, já que suas cartas possuem pouco texto, e a maioria muito simples.

Dominion é um jogo que vale a pena ser conferido. As regras, em inglês, podem ser vistas aqui.

About Igor "Bone" Toscano

Já foi MIB da SJGames, playtester, tradutor, revisor, organizador de eventos locais. Só falta mesmo publicar um jogo.
This entry was posted in Jogos and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Dominion – Resenha

  1. Muito interessante. A dinâmica parece ser bem simples, o que ajuda no aprendizado. As partidas demoram muito? Seria uma ótima opção para o QJRPG!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s